O formigueiro estava literalmente formigando, operárias corriam de um lado para o outro trazendo e buscando alimentos, era aquela agitação de sempre, mas algo no ar transmitia uma preocupação coletiva.
Lola, famosa pelos seus atributos físicos, em especial seu traseiro volumoso e bem desenhado, desfilava pela trilha sem despertar os costumeiros olhares de cobiça dos machos solteiros, nem mesmo dos casados. Muito estranho mesmo.
Ela se aproximou de Totó, caso antigo e costumeiro, sua preocupação era visível.
– E aí Totó, está próximo o dia mesmo??
Totó era uma formiga mais madura, mas ainda em forma, capaz de fazer seu trabalho com desenvoltura, e um dos mais espiritualizados do formigueiro. Tanto que a comunidade, mesmo os mais descrentes, o respeitava e seguia suas orientações, incluindo a Rainha, soberana também ligada aos assuntos extra-sensoriais.
Sem parar com os seus afazeres, semblante fechado, Totó olhou para Lola e concordou com a cabeça.
– Está sim Lola, pelos meus cálculos o ciclo se fecha nesta lua, pode ser a qualquer momento. Você tem feito suas orações ao Criador e seus anjos?
– Todos os dias, Totó, desde que você alertou a todos. Você já fez a leitura dos grãos para este ciclo? Sua idéia de sacrificar a virgem para Deus no último ciclo deu certo, acho que Ele gostou do ritual e nos poupou do massacre, de toda aquela tragédia que vinha acontecendo há, sei lá, sete, oito ciclos??
– Doze, meu avô me contava essas histórias quando eu era pequeno.
No último ciclo deu certo, não sei neste, tudo pode acontecer. Já fiz a leitura, parece tudo em ordem, mas desta vez pediram 5 virgens, não sei por que.
– Ai, que sorte a minha, tô fora dessa, aliás, nossa última já faz um tempo, vamos fazer formiguinhas???
– Desculpe Lola, não estou com cabeça para isso, ainda mais agora, tenho que encontrar cinco virgens, e depois do último ciclo, muitas tiveram a mesma idéia de cair fora deste ritual, não sei como vai ser daqui para frente, se ficar aumentando o número, vai ficar difícil, já está!
Acho que Deus não está contente com a gente, esse aumento de sacrifícios, sei não, não me parece boa coisa. Mas é melhor do que o que vinha acontecendo de uns tempos para cá. Esses desastres todos é uma prova que não estamos cuidando bem deste nosso mundo, pode vir coisa pior pela frente!
– Mas você não consultou os oráculos, os grãos, ai Totó, assim você me deixa mais nervosa!!
– Consultei, fiz um mapa, mas todas essas agressões que fazemos ao meio ambiente, uma hora vão ser cobradas, os Deuses não perdoam. Vamos ter fé, confiar no Pai, fazer nossas tarefas, cumprir com os mandamentos, e tudo dá certo. Você, por exemplo, tem que parar de sair com cara casado!
– Ah, Totó, vamos mudar de assunto, você me deixa nervosa e ainda quer quebrar o meu barato?? Você acha que Deus está preocupado com isso? Se eles querem dar uma escapadinha desta chatura que é a vida de casado, deixa vir buscar ajuda comigo, eu me doo, uai, estou me doando para a comunidade!! Deus gosta disso.
– Tudo bem, Lola, deixa eu ir agora que preciso preparar a produção do ritual, quero fazer amanhã, primeiro dia de lua cheia, e que Deus tenha piedade de nós.
– Isso Totó, pega as virgemzinhas, diminui esta concorrência com a juventude, deixa os Deuses felizes e vamo que vamo. Depois a gente dá uma zinha!!
Totó se despediu de Lola, entrou na trilha principal de acesso ao canal e rumou em direção à sua casa. O trânsito estava um caos, havia chovido, vias inundadas por todo lado, desmoronamentos, Totó estava prevendo problemas pela frente, muitos problemas.
O Sol estava alto, céu limpo, sem nuvens, e Totó preso num engarrafamento. De uma hora para outra, o chão começou a tremer, primeiro levemente, depois de forma mais aterrorizante, o pânico se estabeleceu rapidamente, ninguém mais obedecia as trilhas, o chão vibrava mais e mais. Totó começou a pensar nos seus cálculos, nas suas previsões, uma sombra enorme surgiu sobre sua cabeça, ele mal teve tempo de olhar para cima e um objeto redondo, preto, enorme, muito grande, apareceu por de trás dele.
Ele ainda lembrou as histórias do seu avô que descreveu este objeto rodador não identificado com precisão, negro, com sulcos, passando por cima de tudo e de todos. O impacto foi inevitável, Totó se viu grudado a aquele objeto destruidor, rodou com ele, viu um outro imediatamente atrás, igualmente avassalador e pensou em Deus, “Ele deve estar mesmo furioso e mandou toda sua tropa de anjos do apocalipse para exterminar a vida na terra”. Foi a última coisa que pensou.
Os carros do Rally do Sertão entraram na planície a cerca de 120 km por hora, passando por cima de mato, lama, galhos secos, o que tivesse pela frente, incluindo uma grande trilha de formigueiros.
Cancelado no ano passado por falta de patrocínios, os participantes pareciam estar querendo tirar o atraso, voavam com suas máquinas em busca da bandeira final.
O fim está próximo.

Anúncios