Noite de Natal, sozinho em seu quarto, ele encheu um copo com água e colocou sobre a cômoda, riscou um fósforo e acendeu o incenso e uma vela, só a luz da chama iluminava o ambiente. Ao levantar os olhos, ele deu de frente com sua imagem refletida no espelho, rapidamente desviou o olhar, fixando-o naquela chama que dançava conforme sua respiração acontecia.
Seus olhos se fecharam, a foto da luz ainda impressa na retina, seus lábios começaram a recitar um silencioso Pai Nosso. No início atento, focando cada palavra, para depois entrar no modo automático, sem nem perceber que tinha terminado.
Ao abrir os olhos, deu novamente com o seu reflexo no espelho, e mais uma vez não conseguiu encará-lo. De olhos novamente fechados, começou a falar em voz alta, para o nada que naquele momento era o tudo que tinha.
– Ô, meu Pai, todo ano, quando chega essa época é sempre a mesma coisa, sempre o mesmo vazio, sempre o mesmo ritual, acender um ponto de luz, fechar os olhos e pedir. Pedir para que alguma coisa aconteça, pedir para que as coisas mudem, pedir para que o ano seja melhor do que esse que termina. E quem não consegue ser melhor sou eu, que volto aqui todo ano pedindo a mesma coisa.
Foi quando, sem saber de onde ou como, um som brotou, como um pigarro. Ele olhou em volta, para cima, percebeu a chama da vela se movimentar para todos os lados, a dançar como nunca, mas nada tinha mudado. Focou com os ouvidos o silêncio, achou ter escutado outro pigarro, um frio percorreu sua coluna, agora sabia que tinha ouvido, mas não tinha sido com os ouvidos, estranho, muito estranho.
Quando parecia que não iria acontecer nada, já começava achar que tinha sido sua imaginação, uma voz soou clara, e não fora seus ouvidos que escutaram.
– Mais um ano, mais uma vela, mais um incenso!
Seu coração veio parar na boca, seu pescoço encolheu, voltou a cabeça para cima como se a voz viesse do céu, e congelou!
– Engraçado, todo um ritual para falar Comigo, e quando respondo alto, fica com medo.
– É o senhor, Senhor??
– Eu mesmo! E se você não se importa, gostaria de esclarecer uns pontos rapidamente, já pedindo desculpas pela pressa, mas nessa noite, os acessos se multiplicam, depois a gente se fala com mais calma.
– Claro, Senhor, que seja feita a Vossa vontade!
– Hehehe… vocês estão sempre falando da boca pra fora! Repetem a letra, mas querem tudo no tempo e da forma que vocês acham a melhor. Nesses dias, pedem e desejam aos outros tudo aquilo que acham que não tiveram durante todo o ano. Amor, paz, felicidade, sucesso, prosperidade. Ai de Mim se não tivesse um paraíso pronto, planejado, para vocês viverem a eternidade!!
– Desculpe, Senhor, é que a vida está dura, difícil mesmo e, na virada do ano, a gente pede para que seja melhor, para nós e para os amigos, família…
– Claro, certamente. Nada contra querer e desejar o melhor para você e os seus. Mas as vezes, é preciso olhar para trás e perceber os avanços, as conquistas, para seguir em frente com mais força. Eu nunca disse que seria moleza, as dificuldades existem por alguma razão, até para vocês valorizarem as facilidades. É com elas que se aprende, que se cresce, que se amadurece. É preciso valorizar cada passo dado, cada apoio recebido, cada pequeno momento de alegria. E mesmo que pareça que nada caminhou, que o ano foi ruim, não desista, insista, Eu estou aqui, tudo vai ficar bem, basta acreditar.
O seu novo ano será o melhor que você puder fazer, não importa se irá vencer todos os desafios, atingir todas as metas. Na verdade, isso é o que menos importa. Faça o melhor que puder, seja o mais amoroso, mais solidário que conseguir ser. Mude o que você perceber que precisa mudar, faça o que você gosta de fazer e busque amar o que você faz.
Seja o ano da forma que for, agindo dessa forma, o seu lugar Comigo vai estar garantido para poder curtir todo o amor, felicidade e conquistas, tudo aquilo que sempre pedem e que um dia vão ter, na plenitude. Acredite!
– Obrigado, Senhor.

Anúncios